Naruto Player RPG | sua experiência no mundo de Naruto
Seja bem vindo ao Naruto Player RPG, se cadastre agora e venha jogar um RPG onde você poderá interpretar seu personagem favorito de Naruto, não perca tempo venha jogar conosco.

Logue-se já!

Esqueci minha senha




Nas ultimas horas...
Panic!
Ter 24 Abr 2018, 16:54
 
Panic!
Ter 24 Abr 2018, 00:40
 
Modake
Seg 23 Abr 2018, 18:00
 
Panic!
Seg 23 Abr 2018, 15:52
 
Panic!
Seg 23 Abr 2018, 15:49
 
Panic!
Qua 18 Abr 2018, 00:14
 
Panic!
Qua 18 Abr 2018, 00:14
 
Will Senju
Seg 13 Nov 2017, 10:18
 
Quem mais postou nessa semana...
Top dos mais ativos do Mês!
Top dos mais Postadores!
Hinara (1230)
 
River (1222)
 
Youko (1011)
 
Modake (927)
 
Big Boss (910)
 
Whisper (643)
 
Panic! (635)
 
Yuu (615)
 
Kazuaki Yuki (613)
 
Allen Walker (577)
 


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Partindo pelo porto*

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Partindo pelo porto* em Ter 14 Abr 2015, 04:08

Allen e Hinara apareceram à 2 km da entrada da vila, exatamente no porto que dava acesso a outras vilas pelo oceano, uma viagem longa, porém, a mais segura possível, já que o barco so saia a cada hora impar, impossibilitando que fossem seguidos...
Karuzo, o chefe da embarcação estava se preparando para levar algumas cargas até o país do arroz, isso era notável pela bandeira que ele levava consigo, o que evitava que fosse atacado por algum bandido.
_Hin, aquele senhor é Karuzo, o chefe da ultima embarcação que sai de Kiri hoje... Devemos ser cautelosos pois, não sabemos o que ele pedirá para nos transportar.

2 Re: Partindo pelo porto* em Ter 14 Abr 2015, 15:45

Saída de Kiri; Festival do Arroz
Parte 1/2.

O velho era sério, robusto para sua idade. O corpo do senhor era quase tão definido como o de Allen. Tinha uma voz ríspida e grossa, mas o som que ela emitia lembrava Hinara de gripe, pois o mesmo era meio fanho.  Estava um pouco atrás do jovem Walker que agora estava escondido atrás de um pequeno arbusto. Ele parecia esperar que o porto ficasse menos movimentado, então ficou quieta, pois quem era nativo daquela terra era ele, não ela.
Quando os carregadores foram indo em direção a outro amontoado de caixas que seria embarcado em outro barco, eles saíram e foram até o homem dono daquele barco.

- Boa noite, queremos atravessar com senhor em seu barco. - disse Sago tranquilamente.

O homem o encarou carrancudo.

- São quinhentos ryous por pessoas, mas como o navio está lotado, terei que cobrar adicional. - o velho nem se quer olhou para ele e ainda não havia visto Hinara se aproximar.

- Quinhentos ryous mais taxa de bagagem extra? Está maluco? Nem bagagem temos. - Allen estava alterado, pois precisava sair de Kiri e aquele era o único modo.  - Meu senhor, é uma viagem urgente. - ele já estava apelando para chantagem emocional, lutar ali não seria sábio. Se quisesse um dia o perdão de seu Kage, matar ou ferir alguém de sua própria nação não era uma opção.

- Não adianta chorar, é o preço ra... - ele desviou os olhos quando ouviu mais sons de passos e bateu os olhos na jovem que agora estava de cabelos soltos. O vento lançava o cabelo dela para trás e os deixavam espalhados pelo ar.

- Nii-san, está tudo bem? - ela colocou a mão sobre o colo dos seios. O tom de voz dela estava meloso e seu corpo se movia mais que o de costume quando ela andava. - Esse é o senhor que irá nos levar? - ela levou o indicador até os lábios e o mordeu lentamente. - Você disse que era um senhor de idade, mas ele é mais forte e jovem que você one-san. - ela riu umedecendo os lábios enquanto deixava seus olhos vasculharem cada detalhe do corpo do homem.
Passo pós passo Hinara se aproximou do homem e tocou com a ponta dos dedos seu peitoral musculoso. Sua barriga tocou a dele. - Não sabia que pescadores poderiam ter esse físico. Corpo rígido, maciço. - disse ela deslizando a mão direita pelo tórax do velho que tinha sua face agora completamente avermelhadas e balançava excessivamente a perna, seus olhos se estartalaram sobre os seios da garota e isso fez com que sua boca se secasse e ele começasse a tossir.

Allen entendeu o que a jovem queria e apenas concordou com tudo o que ela dizia. Entrou no teatro. - Sim, é ele, mas não temos o dinheiro para ir no barco, teremos que esperar o ano que vem para você realizar seu sonho, Hin. - ele ergueu os ombros.

O velho arregalou os olhos ao ver os olhos da menina se encherem de lágrimas. - Espera, que sonho? - ele a segurou pelos braços e a olhou nos olhos.

- Conhecer o Festival do Arroz na vila do Arroz. - ela disse chorosa. - Minha mãe trabalhava lá e morreu durante o caminho de volta uma vez, como não sabemos eu só queria tentar lembrar dela indo até lá. - Ela começou a chorar.

Eu juro, eu me comoveria com essa cena.

Allen abaixou a cabeça para não rir e Hinara continuou com a cena.
- Calma! - ele a envolveu pelos braços e a jovem sentiu todo o seu corpo ser coberto por aquele fedor de peixe e suor. Ela sentiu mais que o corpo do rapaz tocar seu corpo e aquilo a fez ter repulsa. - Eu levarei vocês. - ele disse segurando a menina pelo queixo com os seus lábios bem próximos. O hálito dele não era nada fresco, lembrava ovos e cebola e um refluxo veio a sua garganta, mas ela foi forte e o devolveu a seu lugar.


( minutos depois...)


O céu estava límpido. A lua cheia despontava no espaço, como um guia cósmico servindo aos pecadores que trabalhavam na noite. Um vento fresco de maresia corta o rosto de Hinara, como uma carícia de mãe. E essa brisa, levava consigo o cheiro do homem que insistia em olhar para as pernas da jovem propositalmente descobertas. Não havia melhor lugar do que aquele! Ela estava com Allen o que mais iria querer? Para que iria querer mais que isso? Muita fortuna só causa dor de cabeça e atrairia atenção de olhos ruins e ela não queria isso, agora queria só a paz que os olhos de Allen lhe proporcionava, a segurança que só aqueles braços lhe garantiam e a certeza que o sorriso lindo dele expressava.
O velho mordeu o lábio e deu uma risadinha enquanto Allen não estava olhando. Sua mão apalpou o volume em meio as pernas e soltou um som em um pequeno sussurro "Hehe". Hinara sentiu as maçãs de seu rosto queimarem e cada célula do seu corpo odiara aquele velho cada segundo mais. Porco. Imundo! Eram as palavras que estavam em sua mente, mas em seu rosto estava estampado um sorriso falso, mas sedutor.
O velho olhou para o relógio o relógio: Eram 01:20 da manhã. Logo amanheceria. De onde estava, Hinara só enxergava a praia por meio dos postes públicos do porto. Mesmo assim, eles eram muito pequenos daquela distância que estavam da costa, pareciam mais uma fileira reta de vagalumes estáticos. Já o mar por sua vez vez era bem visível, refletindo a luz do lugar como se fosse um espelho líquido. As marolas vinham do oceano e fazim com que o barco do velho pescador subir e descer, como se fosse uma cuidadosa mãe balançando o berço do seu bebê querido.

- Estamos chegando! - ele afirmou manuseando o leme. Hinara se aproximou da frente do barco. A vista era linda e por um instante se esqueceu do velho tarado que estava atrás dela olhando fixamente para seu quadril.
Ele a atropelou com um monte de perguntas como: Idade, onde morava, quantos irmãos, se namorava, o que fazia da vida e ela enrolava contando uma história enorme para cada resposta para dar tempo de chegar ao porto.
Quando atracaram, eles foram descer do barco e ele a segurou pela mão, em questão de um piscar de olhos o braço do senhor estava posto em suas costas e um chute na parte de trás do seu joelho o fez pestanejar até cair com o mesmo no chão. Assustado ele a olhou por cima dos ombros enquanto sentia seu braço ser pressionado com força da jovem contra seu corpo.

- Muito obrigado, mas por favor, não me toque novamente e se perguntarem se nos viu... - ela deu uma pausa e sorriu ao se aproximar do ouvido dele. - para o seu bem, é melhor ter viajado sozinho. - ela o empurrou de volta para o navio e seguiu para fora do porto.

Enfim, Vila do Arroz e o festival estava no seu ápice. Ela queria ter um momento de lazer e com Allen, olhou para a cidade e para a estrada, levantou os olhos piedosos para o rapaz pedindo apenas com os olhos para que ficassem um pouco.

3 Re: Partindo pelo porto* em Ter 14 Abr 2015, 17:46

Allen se assustara com o teatro de Hinara, mais era necessário para que conseguissem sair de Kiri... Longas horas se passaram na companhia daquele velho fedido com ar de superioridade, até que em fim chegaram ao porto do país do Arroz...

_ Vamos minha irmã... Não precisa me olhar com esses olhinhos, vamos passar a noite aqui, partiremos ao amanhecer... Vamos aproveitar um pouco o festival.

Allen passou o braço direito de Hinara em seu braço esquerdo, apertando-o com força, sem machucá-la... Então seguiu rumo ao centro do festival. Precisavam comer algo a viagem fora longa e o estomago de ambos roncava freneticamente.

4 Re: Partindo pelo porto* em Qua 15 Abr 2015, 13:54

Festival do Arroz; Noite de Fogos e o amanhecer de uma nova promessa

Parte 2/2.


Era madrugada. As horas não importavam. Allen estava esperando encostado em um pequeno muro de blocos de granito que separava duas casas uma da outra. Hinara estava em uma loja a frente quando saiu sorrindo e agitando os braços.

- NII-SAN. – ela saiu gritando e o agarrou pelas mãos. – Vem comigo, rápido. – ela estava muito feliz, não conseguia controlar suas emoções. A loja era de uma senhora gorda simpática.

- Bem que disse que ele era bonito, minha jovem. – ela riu tapando a boca com a ponta dos dedos. – Tenho algo perfeito pra ele.

Ela saiu correndo, mas sem correr. Eu ri com essa parte, pois imagina uma pessoa gorda ao extremo tentando ser ágil. Era ela. Estabanada, mas a simpatia dela era algo realmente acolhedor.

- Bom aqui está. – ela retirou um kimono cinza e estendeu frente ao rapaz, mas antes que ele pudesse ver, a jovem saltou em sua frente agarrando-se ao pedaço de pano.

- Que cheiro bom. – ela disse ao girar seu corpo. – Vem, agora vá se lavar. - ela disse empurrando o rapaz pelas costas até o banheiro. – Eu já volto com a toalha, shampoo e condicionador. – A menina sorriu para ele antes de sair correndo.

Allen esta com o rosto corado, mas não reclamou a alegria de Hin parecia deixá-lo, feliz. Ela entrou e ele estava sem camisa. A pele branca do rapaz, pálida quase a lembrava dente de leões, a flor que se esvai com o vento. Ele era realmente lindo, e ela ficasse extasiada com tudo nele.

- Toma, agora vai rápido, temos que aproveitar tudo antes de ver a queima de fogos. Vou tomar banho ao lado e te espero, aliás, você me espera, eu sou a moça aqui. – ela saiu correndo e foi se lavar. A água era quente e como ela amava banho de água quente. Ela escorria por seus ombros e descia por entre seus seios relaxando todos os membros de seu corpo, a viagem fora tensa, mas enfim estavam fora de Kiri.
Após alguns minutos a jovem saiu do banho e Allen já estava esperando usando aquele Kimono que ela havia dado a ele. Ele estava lindo. Parecia outra pessoa, pois ela nunca o havia visto fora dos trajes de chunnin.

- Está lindo. – ela sussurou ao se aproximar dele. Hinara estava usando um típico traje femino da região.  Qipao branco com bordados vermelhos e com fendas laterais grandes para melhor desempenho/movimentos das pernas, ou seja, nos combates, uma pulseira de couro marron em seu punho direito, um tipo de calça cinza escura e uma sapatilha preta.

Ela parou ao lado dele, ambos se olharam e ele também sorriu de braços cruzados.  Ela corou quando ele deu um rápido selo em sua bochecha.

- Pronto. – uma rajada de luz acabará de ser disparada duas vezes. – Essa foto vai para vocês, já que é a primeira vez que vêem ao nosso festival e a nossa loja. – ela entregou para Hinara a foto e um embrulho novo. – Obrigada pela visita e esse aqui vai de brinde. – a velha sorriu. – Vocês formam um casal lindo. – ela apertou a bochecha de ambos e saiu.

- Não, não, nós não somos um... - a mulher já havia saído rindo.

A jovem Hyuuga ergueu a foto a altura dos olhos e a analisou.




Hinara não olhou para Allen por uns segundos, não tinha coragem.

- Vamos? – ela perguntou desviando os olhos para o ombro esquerdo.
Ele pegou a mão da jovem e ela sorriu, voltou a olhá-lo lentamente e desceram para o festival.

Havia muita gente e eles passavam bem no centro da rua. Barracas com vários tipos de comida e eles experimentaram quase todos, exceto o bolinho de arroz mergulhado em um molho estranho que não cheirava bem. O espetinho de queijo deixou um leve fio escorrer pelos lábios de Allen, Hinara levou o indicador lentamente e com muito cuidado até o local e deslizou seu dedo pela área retirando o pequeno resíduo do derivado de laticínio que ali estava. – Prontinho. – ela disse quase em um sussurro.

Estava quase na hora dos fogos e eles estavam sentados sobre um pequeno morro na relva. Conversaram, trocaram confidencias e riram muito. Era nítido o quanto um fazia bem para o outro e enfim os fogos começaram. Eles se colocaram de pé quando o show de luzes começou no céu.





- Allen...eu... – ela sussurrou sem olhar para ele.

- Sim, Hin. – ele fez o mesmo.

- Obrigada.

- Pelo que?

- Por ter me dado um sentido para viver.

Ele olhou para ela que estava chorando, apenas chorando. As lágrimas desciam em seu rosto e paravam em seu sorriso.
- E não sei se você ainda se lembra disso, mas eu serei a ponte que liga você ao seu sonho. Serei forte para te proteger, eu prometo. – ela virou-se para ele e depositou as duas mãos aos tórax do rapaz, se agarrando as bordas de seu kimono e não disse mais nada, abaixou a cabeça e ele ficou a olhando. Não havia o que dizer naquele momento.




Ao terminar os fogos eles foram para o hotel de mãos dadas, cada um foi para seu quarto, mas antes de ela fechar a porta, Allen deu a ela um beijo na testa.

Dormiram e na manhã seguinte, seguiram viagem para a tal organização.


Conteúdo patrocinado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum